LANÇAMENTO MIID 40 – MARRÉ INFINITO SEMIJOIAS



EDITORIAL


Esta é uma edição muito especial que explora o que as joias da Marré Infinito têm de melhor. Um mix incrível de pedras, no mais autêntico design da marca, trazem formas e propostas que vão revelar nossa essência. Uma semi joia intuitiva que traduz a identidade das Mulheres Infinitas. Tudo nasce de um projeto criativo que estuda o comportamento e o momento em que vivemos. Aspirações, desejos e atitude, em uma conexão de percepções, inspiramos um futuro novo e promissor. Nossas joias são desenhadas para dar força e poder a mulher, fazer ela se diferenciar e viver a vida de forma intensa e infinita. Uma conexão da energia divina com as forças da nossa realidade traduz através de cores e formas esta atmosfera, o berço dos novos tempos. Esta edição da MIID é para ser apreciada em cada um de seus detalhes, você vai conhecer a fundo nossas joias, seu diferencial e porque elas são tão especiais.

As joias da Marré Infinito têm um estilo arrojado, sempre modernas e atuais, acompanham a evolução da moda e do comportamento dando identidade e protagonismo as autênticas Mulheres Infinitas. Convido todos a observar cada detalhe, degustar cada uma das palavras, das cores e das formas desta edição.
Facebook: Pat Marré
Instagram: @patmarre
WhatsApp +55 31 99397 0115

+55 31 99180 0770

COLEÇÃO TEMPO DE PRODUZIR


A Coleção Tempo de Produzir nos inspirou a revelar um pouco mais das nossas joias. Falar de como são produzidas e porque são tão especiais. 


Leia mais no final da revista. 
As peças com cristais facetados passarão pelo processo de cravação antes de serem banhadas.
As peças agora fundidas passarão por um demorado processo de acabamento e polimento, para então serem banhadas. O processo de acabamento é na sua maior parte manual, as peças são lixadas e polidas, as argolinhas e os pinos são soldados e os fechos dos pingentes feitos manualmente um a um. Por mais que se tenha um padrão o processo manual de joalheria sempre diferencia uma peça da outra, apesar de produzidas em pequenos lotes, elas nunca serão idênticas, são parecidas, mas não são idênticas.


As semi joias da Marré Infinito são desenhadas a mão usando o tradicional processo de desenho chamado “pedras na mesa”. Este processo é rico pela experiência, mas tem um fator importantíssimo, é necessário ter todas as gemas antes do desenvolvimento dos desenhos para garantir uma combinação perfeita de cores e formas.

Os Ícones trazem uma seleção de joias em cristal SWAROVSKI e cristal facetado que compõe os clássicos da Marré Infinito. Os best sellers mais cobiçados. As pedras naturais sempre foram um fator que limitava a reedição das joias da Marré Infinito. Nossas pedras garimpadas em viagens pelo Brasil e pelo mundo na maioria das vezes adquiridas em pequenos lotes que reuniam diversas qualidades, cores e formatos que produzem um mix único de desenhos. Com o uso de cristais este panorama mudou, possibilitando a reedição dos Ícones, geralmente em cristal facetado e SWAROVSKI. Até mesmo os cristais tem uma produção limitada, cores novas são lançadas outras não são mais produzidas, desta forma os cristais podem se tornar também raros como as pedras naturais. Nesta edição da MIID trazemos dois exemplares deste conceito de exclusividade e raridade dos Ícones.


CRUZ DE MALTA


Para abrir a seção uma imagem do pingente “Cruz de Malta” desenhado por Mari Marré nos anos 90, ele até hoje é um dos sucessos do Catálogo de Ícones. Este pingente foi reproduzido após mais de uma década de seu lançamento a pedido das consumidoras da marca, na época a cruz estava na moda e mais de sete clientes entraram em contado pedindo para que eu reproduzisse o pingente desenhado por minha mãe. Na época ainda encontramos a matriz do metal, mas tínhamos perdido a modelagem da pedra. Começa aí uma jornada para resgatar a modelagem. As revendedoras na época devido às quantidades muito limitadas de produção, não tinham muitas joias da Marré Infinito em seus porta joias pessoais, acabavam vendendo até mesmo as peças que tinham comprado para elas. A ideia então foi iniciar uma busca no porta joias das consumidoras. Conseguimos através de uma revendedora uma cruz cedida por uma das suas clientes, para servir de modelo e ser reproduzida pelo lapidário Lindomar, chamado carinhosamente de Lindo. 



ÚLTIMAS UNIDADES


O conjunto em Cristal Luminous Green traz suas últimas unidades, apenas 14 pingentes e uma quantidade limitada de anéis e brincos. Este conjunto (S038 e S039) é um dos maiores sucessos da Marré Infinito, o max anel encanta pelo seu formato e brilho. O brinco já em versão adaptada dá equilíbrio ao conjunto. Aproveite para garantir este conjunto maravilhoso em seu porta joias.



NOVAS CORES


O conjunto de anel e brinco Y018 foi lançado na 4ª Edição do Catálogo de Ícones, com duas novas cores para compor com o pingente “Rosa dos Ventos”, apesar das duas primeiras cores ainda estarem disponível na pronta entrega, não conseguimos atender todos os pedidos de clientes devido à limitação de tamanhos de anel.

Para garantir um atendimento personalizado, agora os Ícones são produzidos conforme encomenda para que possamos atender os desejos de nossas clientes, que podem escolher a cor do banho, a cor da gema e também o tamanho do anel. Mais um diferencial da Marré Infinito.


COLEÇÃO TEMPO DE FÉ 


A Coleção Tempo de Fé lançada na MIID 39, traz agora um novo conjunto explorando o mix de madeira, pérola e cristal facetado. Uma composição de materiais que exprime a essência da marca, em um design moderno e atual. Dois sucessos da Marré Infinito compõe a cartela de cores da coleção, formando nesta página uma linha do tempo. O conjunto marrom lançado pela primeira vez na MIID 26 em 2014 e o conjunto amarelo lançado na MIID 34 em 2016.



COLEÇÃO TERÇOS


A coleção traz uma variedade de terços em uma diversidade de modelos e materiais. Alguns clássicos trazem elementos da composição original e outros exploram a estética em uma pegada fashion e conceitual. Uma diversidade de cristais e pérolas, brilho e textura, formas e movimento.



COLEÇÃO CHOKER


Elas estão de volta! As queridinhas do mundo fashion exprimem força e modernidade. Quem não se surpreende com a nova estética proposta pelas CHOKERS? Elas continuam em alta e chegaram para ficar.



Depois de desenhadas as joias são esculpidas em cera, um processo de pura arte, feita pelas mãos de um habilidoso artista conhecido como modelista, o primeiro exemplar em cera é fundido em metal, de onde então é tirado o molde em silicone (veja foto) para reproduzir as peças em cera. Injetadas uma a uma, as peças são montadas em arvores que em seguida são colocadas em um tubo.


Curiosidades sobre a JoiaMarré Infinito


Muito importante para começar é entender a diferença entre joia, semijoia, joia folheada e bijuteria.

Joia


O emprego do termo joia vem se transformando com o tempo. A título de curiosidade comparei o significado da palavra joia da atual versão online do Dicionário Aurélio, com o significado da 9ª edição impressa, do mesmo dicionário, de 1957. Uma lembrança do meu bisavô Juquinha, que guardo em minha biblioteca. Significado da palavra joia no dicionário Aurélio: Edição impressa em 1957: Arte fato de matéria preciosa, metal e pedrarias. Edição online em 2017: Objeto de a dorno (de matéria preciosa ou que a imita).

A grande evolução da joia foi à mudança em seu valor intrínseco. Antigamente ela era exclusivamente feita de ouro, prata, diamantes e pedras preciosas, o que fazia com que as joias tivessem sempre um valor econômico significativo, podendo ser facilmente convertidas em moeda corrente. Foi por este motivo que durante a primeira grande guerra as mulheres vendiam suas joias para conseguir recursos para sustentar sua família. Mas para estas mulheres as joias tinham um significado que ia muito além do seu valor monetário, eram lembranças de momentos especiais e marcantes de suas vidas. Um presente de aniversário, de noivado, de casamento, um presente de entes queridos e também um registro de sua história. Estas mulheres estavam dispostas a abrir mão do valor monetário das suas joias para sustentar suas famílias, mas não estavam dispostas a abrir mão de suas lembranças e de sua história. Antes de vende-las, elas faziam réplicas para guardar em seu porta joias e preservar suas memórias. Foi então que surgiram os materiais alternativos que imitavam as joias. 

Começa então um novo mercado de infinitas possibilidades. A Marré Infinito foi fundada em 1991 e seu nome na época era Marré Joias Alternativas. Com a evolução dos tempos apareceram novos materiais que produzem um efeito tão impressionante e rico como o das joias originais, mas com valores muito mais acessíveis, possibilitando as mulheres diversificarem seu porta joias, acompanhando a moda e o seu guarda roupa.

Semi joia ou joia folheada


As semijoias ou joias folheadas são produzidas em liga de metal, com banho de metal precioso, pedras naturais, cristais, madeiras, pérolas e uma infinidade de materiais nobres em fundição de alta fusão e processo de cera perdida, fundidas em latão, liga de cobre e zinco, ou em bronze. Depois de fundidas, acabadas e já com as pedras cravadas, as semijoias ganham um banho de metal nobre que pode ser de ouro em várias tonalidades, de ródio branco ou ródio negro e outras cores. 

A semijoia é produzida no mesmo processo da joia o que diferencia uma da outra é o valor da matéria prima. Para ser considerada uma joia folheada, a peça deve ter um banho de ouro mínimo de 2 milésimos. A quantidade de milésimos irá impactar diretamente na durabilidade da joia ao longo do tempo. Geralmente a camada de milésimos varia de 2 a 20 milésimos, as camadas mais usuais, são de 10 milésimos para anéis, 7 para correntes e pingentes e 5 para os brincos, variando de acordo com o contato que a peça tem com a pele. 

Bijuteria


As bijuterias se diferenciam das semijoias por serem produzidas geralmente em ligas de baixa fusão, usar contas de plástico e resina e terem um banho específico sem a presença de materiais nobres. As bijuterias têm um estilo bem característico com variedades de banhos, tem menor durabilidade que as semi joias, mas são muito bonitas e algumas trazem um rico trabalho artesanal. Atualmente temos bijus com cristais, pedras naturais e com um banho dourado chamado flash, camada de 1 milésimo de ouro que imita as semi joias mas não garante sua durabilidade. As bijuterias foram muito difundidas por terem um custo acessível e possibilitar a elaboração de uma modelagem fashion, rica em materiais e cores. Hoje vemos que as mulheres usam os três estilos em um mesmo look, cada um explorando o que tem de melhor a oferecer. Tudo vai da criatividade, bom gosto e estilo de cada uma.

Sobre o Processo deProdução da Marré Infinito


As semi joias da Marré Infinito são desenhadas a mão usando o tradicional processo de desenho chamado “pedras na mesa”. Este processo é rico pela experiência, mas tem um fator importantíssimo, é necessário ter todas as gemas antes do desenvolvimento dos desenhos para garantir uma combinação perfeita de cores e formas. Depois de desenhadas as joias são esculpidas em cera, um processo de pura arte, feita pelas mãos de um habilidoso artista conhecido como modelista, o primeiro exemplar em cera é fundido em metal, de onde então é tirado o molde em silicone (veja foto) para reproduzir as peças em cera. Injetadas uma a uma, as peças são montadas em arvores que em seguida são colocadas em um tubo. Este tubo será preenchido com gesso, depois de seco passa por um processo de retirada da cera do tubo para que ao ser colocado no forno para queima a 750 graus, não gere fumaça. Uma preocupação com o meio ambiente, o bem estar e a saúde. 

Na foto você pode observar as peças em cera montadas em arvores ao lado das barras de latão, que serão fundidas na forja a 1.100 graus. O latão líquido então é usado para preencher os tubos de gesso previamente calcinados no forno durante 8 horas. 


As peças agora fundidas passarão por um demorado processo de acabamento e polimento, para então serem banhadas. O processo de acabamento é na sua maior parte manual, as peças são lixadas e polidas, as argolinhas e os pinos são soldados e os fechos dos pingentes feitos manualmente um a um. Por mais que se tenha um padrão o processo manual de joalheria sempre diferencia uma peça da oura, apesar de produzidas em pequenos lotes, elas nunca serão idênticas, são parecidas, mas não são idênticas. As peças com cristais facetados passarão pelo processo de cravação antes de serem banhadas. A Marré Infinito desenvolveu um processo de cravação pós banho que possibilita a revitalização das peças com pérolas e pedras sensíveis ao banho.

Os cristais SWAROVSKI por sua vez têm um espelho no fundo que intensifica seu brilho e possibilita que sejam colados. Os cristais SWAROVSKI por sua vez têm um espelho no fundo que intensifica seu brilho e possibilita que sejam colados, produzindo um brilho intenso e um visual mais moderno sem as tradicionais garras da cravação. É importante observar que apesar de muito nobres os cristais SWAROVSKI exigem um cuidado maior que as pedras naturais e os cristais facetados, eles são mais frágeis podendo arranhar com mais facilidade e lascar as quinas das suas facetas. Também se deve evitar guardar os cristais úmidos para não danificar o espelho. 

O banho das joias da Marré Infinito é feito sem o uso do níquel e são banhadas em ouro e ródio. Também não é usado nenhum tipo de verniz. Temos registros de peças usadas há mais de 20 anos com o banho ainda conservando suas características originais. Claro que isto depende das condições de uso e armazenamento da semi joia. 


Sobre as Pedras


As pedras da Marré Infinito são sem dúvida um dos fatores que mais revelam sua identidade. Com uma mistura de materiais e cores singular, as joias da Marré Infinito são reconhecidas facilmente. Podemos dividir as gemas usadas nas semi joias da Marré Infinito em quatro categorias: as pedras naturais, as pedras reconstituídas, os cristais facetados e os cristais SWAROVSKI.

Pedras Naturais


As pedras naturais geralmente são as ágatas, os quartzos, as jades e as jaspers. Temos também outros tipos como o feldspato, também conhecido popularmente como amazonita, o olho de tigre, as ametistas, a água marinha, a obsidiana, a hawlita entre outras. Temos muitas minas de ágata no sul do Brasil, apesar de ter uma produção de lapidação local, elas são na maioria enviadas para serem lapidadas e tingidas na Ásia. 

China desenvolveu técnicas de lapidação, tratamento e coloração muito eficientes que produzem uma incrível diversidade de lapidações, texturas, formatos e cores. Os chineses podem ter a fama de copiar muitas coisas, mas sem dúvida na arte de escultura em pedras e tratamento de cores, eles têm um know-how reconhecido e invejável. Com técnicas de padronização de formas, cores, produção com ótimos custos, o que viabilizou a evolução do design e do emprego destas gemas na joia contemporânea. Os chineses também desenvolveram a técnica de coloração das jades, possibilitando uma riqueza de tons que acompanham a cartela de cores da moda. A partir dos anos 2000 esta técnica possibilitou que os acessórios pudessem acompanhar as tendências de moda seguindo as cores dos vestuários. 

As jades são abundantes na Ásia e seu valor varia de acordo com sua tonalidade e cristalização, as jades de cor natural tem um valor agregado maior e as brancas são usadas como base para a produção das cores da moda. A Marré Infinito é pioneira no uso desta técnica de aplicação de pedras de acordo com as tendências da estação. Promovendo uma diversidade incrível do porta joias das Mulheres Infinitas. 

Os quartzos e as jaspers são largamente encontradas em Minas Gerais e em outras regiões do território brasileiro. O mais difundido é o quartzo hialino, também conhecido como cristal de rocha. São encontrados exemplares transparentes totalmente límpidos e outros com tom esbranquiçado com lindas inclusões. Os cristais são usados como objetos de decoração, na fabricação de lustres e também nas joias e semijoias. 

O quartzo rosa também é muito apreciado, assim como o quartzo verde e o azul. O quartzo azul teve um papel de destaque na MIID 39, formando a parte central do pingente “Armadura de Deus”, simbolizando o escudo da fé. 


Pedras Reconstituídas


As pedras reconstituídas potencializaram o uso de pedras incríveis como a turquesa. Produzida através do pó de pedra e de uma composição de minerais a turquesa reconstituída reproduz a cor da turquesa original em um grau de dureza maior e em formatos grandes e variados. 

Os primeiros lotes de turquesas reconstituídas que chegaram ao Brasil no início dos anos 2000 impressionaram pela sua beleza. O mais interessante é que elas representam a variação e cores dos tons do turquesa natural, variando do azul céu, ao tom de turquesa esverdeado. Os tons variam de acordo com sua composição e também com o tempo de queima no forno, as pedras com maior teor de enxofre são mais esverdeadas. 

Efeitos incríveis podem ser conseguidos através das condições de calcinação, como o da turquesa Zian que possui lindas e marcantes manchas negras em uma infinidade de tons azuis e verdes. Muitas outras pedras podem ser reconstituídas, mas a que mais usamos é a turquesa.


Cristais Facetados


Os cristais facetados representam uma evolução do improviso e criatividade brasileira explorada sabiamente pelos chineses. Nos primórdios do mercado de semi joias no Brasil final dos anos 80, início dos anos 90, as semi joias basicamente tinham a intenção de imitar as joias em ouro. O mercado de semi joias na época era na sua maior parte de réplicas. Para isto os lapidários começaram as experimentar materiais que pudessem ser lapidados e reproduzir as pedras preciosas. Foram feitas experiências com todo tipo de vidro e cristal que era encontrado. 

O citrino era conseguido através da lapidação do cinzeiro âmbar da marca Nadir Figueiredo, o granada e verde turmalina, do fundo dos garrafões de vinho, o topázio azul, o vermelho rubi, ametista e o fumê de jarras de cristal e elementos de decoração, o cristal dos vidros em geral, o preto que na época era chamado de ônix eu sinceramente não me lembro. 

Percebendo a crescente demanda, os chineses começaram a fabricar barras de cristal para serem lapidadas como pedras, o que trouxe para o mercado uma infinita cartela de cores. Este processo aconteceu no final da primeira década dos anos 2000. Foi uma festa, uma liberdade de design, de cores e formas. 

Para encerrar a fala sobre os cristais facetados eu gostaria de deixar um pedido especial para as leitoras, já procurei algumas vezes nas feiras de antiguidades um cinzeiro deste de âmbar da Nadir Figueiredo e não tive a sorte de encontrar, quem por acaso encontrar um destes por favor entre em contato, pois quero muito um para colocar no acervo do nosso museu.


Cristais SWAROVSKI


Uma curiosidade enorme ronda os cristais da SWAROVSKI, eles são considerados os melhores cristais do mundo, são cobiçados e admirados. Daniel SWAROVSKI criou uma  inovadora técnica de lapidação na sua cidade natal na região da Boêmia no final do século XVIII, para proteger o seu segredo mudou-se para os Alpes Austríacos onde estaria longe dos polos de produção de cristais da Boêmia, guardando bem seu segredo, ficaria perto das rotas comerciais da época e teria água em abundância para produzir a eletricidade usada no processo de fabricação. Desde então a companhia se desenvolveu fornecendo os mais incríveis cristais para estilistas e designs do mundo todo aplicarem diversas cores e formatos nos mais inusitados produtos. Joias, semi joias, bijuterias, vestuários, calçados, objetos de decoração e canetas… 

Os cristais da SWAROVSKI dão brilho e sofisticação em uma gama enorme de produtos. Os cristais SWAROVSKI são produzidos industrialmente com uma composição especial de minerais que dão a ele um brilho especial, e uma rica cartela de cores. Com formatos dos mais diversos e modernos eles impressionam pela primazia de sua lapidação.

A Marré Infinito usou pela primeira vez os cristais SWAROVSKI na MIID 9 em novembro
de 2011, desde então vem explorando ao máximo suas cores e formatos em combinações incríveis com pedras, madeiras, pérolas e cristais facetados.

Sobre as Pérolas


As pérolas são clássicas e uma marca registrada nas joias da Marré Infinito desde a origem da empresa em 1991. Mari Marré sempre desenvolveu modelos em pérolas dos mais diversos formatos, para ela não havia limites. Lembro-me do anel de pérolas abraçadas, um modelo bem delicado que abraçava uma pérola cultivada palito e era usado em conjunto de dois ou três com diferentes banhos, formando um precioso composé. 

Existem vários tipos de pérolas. A mais antiga e valiosa é a pérola natural encontrada nas ostras do mar, estas existem desde tempos remotos, na época das colônias eram comercializadas como riquezas junto com o ouro e as pedras preciosas. Depois o mundo foi se desenvolvendo e o homem criou várias técnicas para reproduzir uma diversidade de pérolas. Primeiro elas foram reproduzidas em vidro, cristal e depois em bases de resina e plástico. Ganharam o mundo da moda no início do século XIX com Coco Chanel e seus fartos colares de pérolas. Mais tarde os japoneses desenvolveram uma técnica de cultivo das pérolas no Rio Biwa, foi então que as mulheres tiveram mais acesso as pérolas chamadas de Biwa. 

O tempo passou e os chineses aprenderam a cultivar as pérolas também nos seus rios e então o mundo da moda pôde explorar esta preciosidade. Em inglês conhecida como “fresh water pearl”, ou pérolas de água natural, elas são cultivadas em diversos formatos, os mais conhecidos são a arroz, batata, pão, palito e moeda em infinitas texturas e variadas cores. Os chineses também desenvolveram uma pérola muito especial e valorizada, a pérola shell. Esta pérola é produzida através da lapidação das ostras gigantes do Oceano Pacífico, depois de lapidadas em diversos formatos como bolas, gotas, e cabochons elas recebem um sofisticado banho de esmalte perolado em diversas cores e intensidade de brilho, podem também receber banhos de esmalte cremoso como o apreciado tom de vinho lançado a primeia vez na MIID 12 na coleção Elementos, e o tom de verde usado no pingente do conjunto “Abraço de Mãe” da MIID 39. 

Na Marré Infinito utilizamos basicamente três tipos de pérolas: as cultivadas, as shell e as pérolas com base sintética, que chamamos simplesmente de pérolas. Todas têm uma ótima qualidade e durabilidade. Para diferenciar uma das outras, deve-se observar a textura e o peso. As pérolas são bem padronizadas e têm um brilho mais iluminado. As pérolas cultivadas têm um perolado aveludado e sua forma varia de acordo com a qualidade, algumas possuem repetidas imperfeições que produzem um efeito natural muito apreciado e valorizado. As pérolas cultivadas e shell são bem mais pesadas do que as pérolas com a base sintética. 

As pérolas shell se diferenciam por reproduzir muito bem a textura das pérolas cultivadas, além de garantir uma padronização dos formatos.

AGRADECIMENTOS 


Nesta edição gostaria de agradecer a toda equipe do Projeto Identidade, Sindijoias – MG, Sebrae – MG, Assintecal e Institudo By Brasil, em especial ao Manoel Bernades, Ilse, Elaine, Walter Rodrigues, Juliana e Kênia. Foram dois anos de muito aprendizado. A Coleção Três Tempos foi produzida aplicando-se todos os princípios aprendidos em um processo criativo que explorou nossa identidade e transformou nossa empresa. Agora estamos prontos para trilhar um novo caminho. Descobrir um novo mundo e evoluir nosso design.
Com amor;
Pat Marré!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat